Consulta ao Acervo

Exclusivo para biblioteca

Visitantes desde 09/2013

Hoje789
Na semana29739
Total1871719

Estado prevê nova epidemia da dengue durante o mundial de 2014

Share

 

 

 

Maior epidemia de dengue da história de Minas e temor de um quadro pior em plena Copa do Mundo levam governo a traçar plano emergencial para evitar negligência e ineficácia no combate ao Aedes Aegypti. 

Minas enfrenta este ano a maior epidemia de dengue de sua história e pode viver um quadro pior ainda em 2014, em plena Copa do Mundo, que terá seis jogos em Belo Horizonte. De janeiro a ontem, foram 255.272 casos confirmados, 30% acima dos registrados em 2010 inteiro, até então o pior ano.


O número de mortes também impressiona. Em 2010 foram 106 (média de uma a cada 3,4 dias). Este ano já foram 102 (média de uma a cada 2,2 dias). Diante do quadro preocupante, principalmente devido à ineficácia e à negligência do poder público e da população nas ações contra o Aedes A Aegypti, o governo do estado anunciou um plano emergencial para enfrentar nova epidemia no ano que vem. Convocou secretários de Saúde dos 50 municípios mineiros mais afetados pela dengue (75% dos casos e 70% das mortes). Foram anunciadas também as propostas de criação de um fundo de R$ 103 milhões para prevenção e combate e de distribuição de larvicida à população, já que 80% dos focos estão dentro das casas. E um hospital de campanha será adquirido para o próximo ano.

 

“Temos uma evolução de quase 20 anos da dengue no Brasil. A despeito de todas as nossas ações deste ano, estamos com muita antecedência nos articulando para 2014. Não tenho dúvida de que teremos casos de dengue mais uma vez e fatores relevantes e importantes para manutenção da epidemia”, afirmou o secretário de Estado de Saúde, Antônio Jorge Souza Marques. Segundo ele, este ano houve uma circulação intensa do sorotipo 4 da dengue, que há mais de 30 anos não era registrada e pegou a população sem nenhuma memória imunológica, susceptível à doença. Isso explica em parte a agressividade e a velocidade da cadeia de transmissão sem precedentes no estado. “Essa situação se manterá para o próximo ano. O vírus que seguramente estará hegemônico é o sorotipo 4”, afirmou.


Os 255.272 casos confirmados este ano foram registrados em 796 dos 853 municípios. Antônio Jorge se reuniu ontem com 50 secretários municipais.

O encontro foi uma espécie de puxão de orelha em quem que não cumpriu o plano de contingência para conter a dengue. “Foi uma conversa muito franca. Assumimos com muita humildade que a despeito dos esforços precisamos fazer mais. Então, é uma cobrança civilizada, mas uma cobrança fora do governo do estado em relação à manutenção das equipes de agentes de endemia”, disse Antônio Jorge, que acredita que somente uma vacina poderá resolver o problema.   

 

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou esta semana um estudo para a vacina, que deve demorar até 10 anos para ficar pronta. Enquanto isso, restam apenas dois caminhos, segundo o secretário: intensificar as ações de combate ao vetor e melhorar a assistência e incorporar regras ou engenharia de financiamento das ações que possam favorecer o aspecto gerencial.

 

Uberaba, no Triângulo Mineiro, é a cidade campeã em casos de dengue este ano, com 20 mortos. O secretário de Saúde do município, Fahin Sawan, alega que houve negligência da administração passada. “Não fizeram prevenção. Encontramos um agente para cada 1,3 mil domicílios, quando deveriam ser um para 800 famílias, conforme o termo de ajustamento de conduta de 2006”, disse.

 

Descaso com prevenção

 

Segundo o secretário Antônio Jorge, este ano 83% das gestões não foram renovadas em Minas, uma tragédia na continuação dos trabalhos, com desmonte de equipes de agentes de endemia e da saúde da família. “Houve quebra de  contratos de prestação de serviços em alguns municípios, como coleta de lixo orgânico. Muito lixo nas ruas, tempo quente, mosquito solto, assim não tem jeito. Dos 50 municípios mais afetados, 86% não cumpriram o último ciclo de combate à dengue. Alguns não cumpriram nada”, disse. Verão mais quente e a antecipação das chuvas também contribuíram para a proliferação do mosquito. Durante a reunião, foi proposta a criação de um fundo de R$ 103 milhões, com recursos municipais, estadual e federal, para financiar os agentes de endemia e reestabelecer carreiras e treinamentos.


“Os municípios estão trabalhando com a metade do ideal de número de agentes no combate ao vetor. Desde a desarticulação da Funasa, os agentes perderam muito em qualidade. Há algumas décadas, era pessoal de carreira, com comprometimento ideológico e com a saúde pública. Hoje os vínculos são precários e eles são mal remunerados”, disse. Em função do aumento de casos da dengue e das mortes, Antônio Jorge conta que foram gastos R$ 60 milhões este ano com criação de unidades de hidratação e contratação de mais 2 mil agentes.

 

Distribuição de larvicida

 

Outra medida em estudo pelo governo estadual é a instrumentalização da comunidade no combate à dengue, segundo o secretário Antônio Jorge. Especialistas em meio ambiente e nas áreas química e industrial serão convidados para discutir a possibilidade de o larvicida, que é usado pelos agentes, ser utilizado pelas próprias famílias. Serão avaliados impactos ambientais, possíveis riscos e uso inadequado do material. A comissão terá até dezembro para uma resposta.

 

Antônio Jorge conta que este ano o estado distribuiu 1,5 milhão de litros de água sanitária como larvicida, mas o produto tem uma ação limitada e o efeito residual é menor. “Muitas famílias acabaram utilizando a água sanitária que distribuímos para outros fins, como lavar o quintal”, disse o secretário. Segundo ele, os agentes têm que voltar a cada domicílio a cada seis meses, o que é trabalhoso. “Muitas vezes, o esquema de prevenção se fragiliza por impossibilidade física. Por que não contar com a própria sociedade?”, questiona. Este ano, segundo ele, o número de caminhonetes para o fumacê aumentou de 60 para 122, e o de bombas costais de 500 para mais de mil.

 

Fonte: 

http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2013/08/21/interna_gerais,437613/estado-preve-nova-epidemia-da-dengue-durante-o-mundial-de-2014.shtml