Carregando..

Notícias

Coren-MG realiza sessão de desagravo público em João Pinheiro


Solenidade foi realizada em favor da técnica de enfermagem Vitalina Ferreira de Souza, que teve sua imagem exposta negativamente nas redes sociais

Data de publicação: 16/12/2019

Uma das missões do Coren-MG é defender a categoria, cabendo, inclusive, o repúdio a qualquer ato de ofensa, injúria e afronta. Neste sentido, no dia 26 de novembro, foi realizada, no Hospital Municipal Antônio Carneiro Valadares, em João Pinheiro (MG), sessão de desagravo público em favor da técnica de enfermagem Vitalina Ferreira de Souza. Ano passado, a profissional teve sua imagem exposta e explorada negativamente em redes sociais, sites e no jornal da região após a realização de um procedimento.

Na ocasião, o caso de Vitalina de Souza teve grande repercussão depois que a paciente Efigênia Marques Ponciano a acusou de ter deixado em seu braço parte da agulha utilizada para ministração de medicamento endovenoso. Mesmo consulta médica ter detectado que não havia qualquer objeto estranho após o procedimento realizado pela técnica de enfermagem, ela teve sua imagem brutalmente exposta, o que resultou em danos à sua saúde.

O caso foi agravado porque, mesmo sem apurar os fatos ou sequer questionar a profissional e o médico que atenderam Efigênia Ponciano, Erivelton José da Silva, que na época era diretor administrativo do Hospital Municipal Antônio Carneiro Valadares, concedeu entrevista ao jornal JP Agora, da região de João Pinheiro, afirmando que a Vitalina de Souza havia cometido o erro. A partir daí, a história viralizou e Vitalina de Souza foi bombardeada por mensagens de ódio.

A técnica de enfermagem disse que essa situação prejudicou muito seu exercício profissional. “Como o diretor do hospital confirmou o ocorrido e deu uma entrevista, muitos colegas acharam que o fato tinha ocorrido realmente. Eu pedi um adiantamento de férias e, quando voltei, tinha gente que falou que não me queria no plantão. Teve até paciente que não quis ser atendida por mim”, recorda-se.

Para Vitalina de Souza, a sessão de desagravo foi a oportunidade de mostrar quem ela realmente é. “Eu não sou e e nunca será a pessoa que muitos que não me conheciam julgavam que eu fosse. Foi a oportunidade de mostrar que, embora tenhamos deveres e proibições, temos, também, nossos direitos. E graças ao Coren-MG eu tive a graça de mostrar para todos a verdade dos fatos ditos sobre a minha pessoa. Dediquei parte da minha vida estudando para me tornar uma profissional humana”, disse a profissional, que também é graduada em Enfermagem e cursa pós-graduação em Urgência e Emergência e Obstetrícia e Ginecologia.

Diante desta lamentável situação, o conselheiro Ernandes Rodrigues de Moraes esteve no Hospital para realização da sessão desagravo público, que contou com a presença de funcionários do hospital.

Clique aqui para ler a nota de desagravo público.

Funcionários do hospital participaram da sessão de desagravo público

Para a TE Vitalina de Souza, a Enfermagem é a sua primeira e única escolha. “É o amor de infância. O cuidado e zelo ao meu próximo é o meu lema. Fazer sempre o bem sem olhar a quem.”