Carregando..

Notícias

Manifesto de apoio ao isolamento social e ao combate à Covid-19 em Belo Horizonte


Dezenas de entidades, incluindo o Coren-MG, manifestam apoio às medidas de isolamento social tomadas pelo prefeito Alexandre Kalil, medidas essas recomendadas por comitê de reconhecida competência técnica que o assessora e que reconhece serem estas indispensáveis para enfrentamento da pandemia de Covid-19 na nossa capital, preservando a saúde e vida de sua população e evitando o esgotamento dos serviços de saúde públicos e privados o que causaria mortes evitáveis. Esse manifesto será entregue hoje ao prefeito.

Alem disso, apresentam a seguinte pauta de reivindicações ao prefeito Alexandre Kalil:

1) Apoiar às medidas mais contundentes de isolamento social como forma de prevenção à expansão da Covid-19 em BH, conforme critérios técnicos definidos pelo Comitê de Enfrentamento da PBH, inclusive ao lockdown, se necessário.

2) Fortalecer medidas de combate à fome, miséria e desemprego para garantir os direitos humanos fundamentais.

3) Ampliar ao máximo o número de leitos de enfermaria e CTI disponíveis à população de Belo Horizonte para que pessoas não morram sem assistência adequada.

4) Garantir proteção à saúde às trabalhadoras e trabalhadores da saúde e condições adequadas de trabalho, considerando que compõem a linha de frente no combate à Covid-19.

5) Articular ações para proteção à saúde das trabalhadoras e trabalhadores dos serviços essenciais de Belo Horizonte, em especial nos seus locais de trabalho e no transporte público.

6) Ampliar a testagem para todos os profissionais da saúde e todas pessoas com suspeita de infecção pela Covid-19 para um diagnóstico mais preciso da situação de saúde das pessoas, comunidades e da população de BH.

7) Instituir medidas para uso obrigatório de máscaras de proteção em espaços públicos, no transporte coletivo e estabelecimentos comerciais, industriais e de serviços, mesmo diante dos vetos do presidente Jair Bolsonaro à Lei Federal 14.019/2020 que exclui a obrigatoriedade em órgãos e entidades públicas e em estabelecimentos comerciais, industriais, templos religiosos, instituições de ensino e demais locais fechados em que haja reunião de pessoas.

8) Proteger as usuárias e usuários do SUS BH em seus direitos sexuais e reprodutivos, com reorganização da atenção à saúde da mulher, ações efetivas de atenção pré-natal nas UBS, continuidade de atendimento de planejamento reprodutivo e abertura da Maternidade Leonina Leonor, tendo em vista a necessidade de evitar a contaminação e as mortes maternas por Covid-19 nos hospitais gerais.

9) Atualizar de modo permanente os protocolos e as orientações técnicas para abordagem às pessoas com a Covid-19 e à própria doença, sempre amparados nas melhores evidências científicas disponíveis, dentro dos diversos serviços de saúde da cidade.

10) Qualificar o planejamento urbano para acolher a população sem teto; garantir durante a pandemia a continuidade do acolhimento e da assistência integral às pessoas em sofrimento mental e a usuários de álcool e outras drogas, sempre em serviços abertos, efetuando para isso melhorias e adequações necessárias na Raps do município para proteção de usuários e trabalhadores contra a Covid-19; ampliar casas de acolhida e medidas de proteção a mulheres e crianças em situação de violência doméstica, pessoas em situação de rua e idosos .

Belo Horizonte, 7 de julho de 2020.