Publicador de Conteúdos e Mídias

angle-left Evento destaca importância da Comissão de Ética de Enfermagem do Coren-MG

Órgão tem objetivo de promoção do exercício ético 

A presidente Carla Prado Silva fez a abertura do evento, ao lado dos membro da CEE do Coren-MG, Ernandes Rodrigues Moraes e Christiane Mendes Viana

 

Publicação: 19/06/19

A fim de esclarecer as atribuições da Comissão de Ética da Enfermagem (CEE) do Coren-MG, no dia 13 de maio, foi realizado um evento, na sede do Conselho, que contou com a presença de profissionais de Enfermagem. A atividade foi aberta pela presidente da autarquia, Carla Prado Silva, que deu as boas-vindas aos participantes.

O evento foi conduzido por membros da CEE do Coren-MG, órgão que tem a função de orientar, padronizar critérios de criação, competência, funcionamento e organização das Comissões de Ética de Enfermagem nas instituições de saúde de Minas. Sob a coordenação do enfermeiro fiscal Farley Sindeaux Ribeiro, a CEE do Coren-MG possui 11 membros e se reúne todas as sextas-feiras no Conselho, de 9h às 13h, horário em que está disponível para os inscritos, sendo necessário o envio de e-mail para etica@corenmg.gov.br para agendamento.

Durante o evento, o enfermeiro Farley Sindeaux explicou que a CEE está ligada à promoção do exercício profissional, e não à punição. “A Comissão de Ética do Coren-MG vai julgar alguém? Não. Nós vamos observar se os trâmites estão corretos, se realmente existem indícios. Caso contrário, devolvemos o relato quando chegar aqui. A Comissão de Ética não julga, mas descreve fatos”, enfatizou.

O presidente da CEE do Coren-MG, Farley Sindeaux, explicou o que é a Comissão, seu funcionamento e como pode ser acessada pelos profissionais de enfermagem
 

O enfermeiro revelou que, às vezes, há uma confusão acerca do papel da CEE do Conselho. De acordo com ele, ao Coren-MG cabe promover o exercício ético da enfermagem, da profissão. Nesse sentido, ele diz que é necessário fazer uma reflexão: o fato ocorrido realmente impacta na enfermagem? Um profissional falar mal do outro, por exemplo, exige uma conciliação.

Farley Sindeaux ressaltou, ainda, que a CEE, apesar de ser parceira dos RTs, é imparcial e preza pelo sigilo. Assim, mesmo que seja designada pelo enfermeiro RT, não está vinculada ele. “O RT vai receber o relatório da conclusão do processo e não o que foi o processo”, completou o enfermeiro fiscal.

Membros da Comissão de Ética de Enfermagem do Coren-MG

Coordenador: Enf. fiscal Farley Sindeaux Ribeiro

AE Maria Eudes Vieira – Conselheira do Coren-MG

Enf. Christiane Mendes Viana – Conselheira

Enf. Glauciane Antunes Braga – Colaboradora do Coren-MG

Enf. Paloma da Silva Rodrigues - Colaboradora

Enf. Rildo de Souza Cruz - Colaborador

Enf. Valéria Fátima de Alencar - Colaboradora

TE Ernandes Rodrigues Moraes – Conselheiro

TE Linda de Souza Leite Miranda Lima - Conselheira

TE Valdecir Aparecido Luiz – Conselheiro

Camila Luiza – Estagiária de Enfermagem