Publicador de Conteúdos e Mídias

angle-left Setembro Amarelo

O imaginário que se passa no senso comum da nossa sociedade é que os sinais e sintomas de depressão são frescura ou fraqueza, mostrando desconhecimento sobe o assunto e deixando-o à margem e elevando ao patamar de temas tabus. Entretanto, quando grave, ela é uma das principais causas de suicídio no Brasil, momento de perda completa da possibilidade de seguir adiante com os projetos. Ocorre quando os sentimentos de tristeza, solidão e a instabilidade emocional são constantes e persistentes, e interferem na vida normal e cotidiana da pessoa. Dessa forma, críticas preconceituosas não somente mostram certa ingenuidade e desconhecimento social como impedem que os pacientes procurem o tratamento médico.

No processo de tratamento e recuperação, o apoio dos mais próximos faz toda a diferença. Fique atento aos sintomas mais comuns e, ao notá-los, procure ajuda médica.

Sintomas mais comuns:

  • Sentir-se triste durante a maior parte do dia e diariamente.
  • Perder o interesse em atividades rotineiras.
  • Perder peso (por falta de vontade de comer) ou ganhar peso.
  • Dormir demais ou de menos ou acordar muito cedo.
  • Sentir-se cansado e fraco o tempo todo.
  • Sentir-se inútil, culpado e sem esperança.
  • Sentir-se irritado e cansado o tempo todo.
  • Sentir dificuldade em concentrar-se, tomar decisões ou lembrar-se das coisas.
  • Ter pensamentos frequentes de morte e suicídio.
  • Traçar planos para a própria morte.


A depressão pode ocorrer com qualquer pessoa, de todas as idades, por diversos motivos, como bullying​, insatisfação com a aparência, desemprego, dificuldades financeiras e em relacionamentos, perda de algum parente ou de algum membro do corpo, diagnóstico de doença terminal, mal desempenho escolar ou no trabalho, entre outros.

Portanto, medidas são necessárias para resolver o problema e as pessoas ao redor devem ficar mais atentas e exercer a empatia para ajudar quem tem depressão.

Geralmente, quem tem depressão não procura tratamento porque...

  • Fica constrangido em admitir que estão deprimidas e veem os sintomas como um “sinal de fraqueza”.
  • Está familiarizado com os sentimentos associados à depressão e, então, não é capaz de reconhecê-los como doença.
  • A depressão é mais difícil de diagnosticar quando a pessoas tem outra doença física.
  • Pode apresentar-se com uma ampla variedade de dores e queixas vagas.

Trata-se de uma doença grave, que atinge mais de 300 milhões de pessoas de todas as idades no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, a estimativa é que 5,8% da população seja afetada pela doença, que pode desencadear pensamentos suicidas. Se você conhece alguém com indícios de depressão ou pensamentos suicidas, saiba o que NÃO deve ser realizado nessa situação:

O que não fazer

  • Comparar a situação dela com a de outras pessoas. Apontar que há muita gente com problemas "piores" não ajuda o deprimido a se sentir melhor.
  • Pedir para olhar as situações pelo lado positivo. Tal sintoma é causado pela depressão, está além da vontade do doente e deve ser tratado com ajuda profissional.
  • Perguntar à pessoa o que tem de errado com ela. Tal atitude é forma de deslegitimar seu distúrbio e sugerir que os sintomas são causados por algum comportamento próprio.
  • Pedir para “simplesmente seguir em frente” ou “sair dessa”. A depressão é uma doença que exige tratamento profissional e pode ter consequências graves.
  • Dizer que não pode fazer nada por aquela pessoa. Muitas vezes, o deprimido só precisa ser ouvido ou entender que sua dor é compreendida.
  • Dizer que irá se sentir melhor amanhã. A depressão não é uma tristeza passageira que irá melhorar de um dia para o outro, sem o tratamento necessário.
  • Estigmatizar a terapia ou qualquer outro tratamento. Apenas os profissionais de saúde, como os psiquiatras, podem indicar a melhor alternativa. Evite fazer sugestões não solicitadas de tratamento dos quais você ouviu falar.
  • Culpar o depressivo pela sua condição. A depressão pode ter diversas causas, biológicas ou não, mas nenhuma delas é desenvolvida por culpa ou fraqueza do depressivo.
  • Perguntar por que a pessoa não pode simplesmente ser feliz. A depressão é caracterizada, principalmente, por uma sensação constante de vazio e tristeza e pela perda de capacidade de sentir prazer ou desejo.


Tais sintomas são causados pela doença - assim como você sente calafrios quando está com febre ou dores abdominais quando tem uma infecção intestinal. Portanto, devem ser curados por meio de tratamentos sugeridos por profissionais.

Na maioria das vezes, o tratamento é feito em conjunto pelo psiquiatra e o psicólogo, além de ser indicada a prática de atividades físicas, que promovem a liberação de endorfina, hormônio do prazer, e de outros neurotransmissores que possibilitam a sensação de bem-estar.

Há diversos medicamentos antidepressivos que auxiliam no tratamento e o médico o escolherá segundo o perfil do paciente, sempre em conjunto com o tratamento psicológico, pois esse tipo de comorbidade psíquica tem sucesso com o uso da linguagem. Quando o sujeito expõe seus medos e receios por meio da palavra, a chance de ele passar ao ato, ou seja, transportar seus problemas para o corpo é menor.

Locais públicos em Belo Horizonte para tratamento:

Em Belo Horizonte, a rede municipal possui sete Centros de Referência em Saúde Mental (Cersam) em diferentes regiões e dois infantil CersamI. Caso tenha um familiar ou amigo com depressão ou que manifeste a vontade de suicidar, procure estes serviços de saúde. Eles funcionam todos os dias (inclusive feriados), das 7h às 19h.

Confira abaixo os endereços e telefones de contato

Cersam Norte: R. Furquim Werneck, 125, Tupi - (31) 3246-9562/9563
Cersam Pampulha: R. do Mel, 77, Santa Branca - (31) 3277-7918/7934
Cersam Oeste: R. Oscar Trompowisk, 1325, Grajaú - (31) 3277-6488/9601
Cersam Noroeste: R. Camarugi, 10, Padre Eustáquio - (31) 3277-7220/7229/7216
Cersam Venda Nova: R. Boa Vista, 228, São João Batista - (31) 3277-5432/5434
Cersam Nordeste: Praça 13 de maio, s/n, Nova Floresta(Praça Preto Velho) - (31) 3277-6067/6065
Cersam Leste: R. Perite, 150, Santa Tereza - (31) 3277-5756/5743
Cersam Barreiro: R Ribeiro da Luz, 29, Barreiro – (31) 3277-1530/5908
CersamI Noroeste: R. Camarugi, 10, Padre Eustáquio - (31) 3277-9279
CersamI Nordeste:   Praça Muqui, s/n, Renascença - (31) 3246-7564
Cersam AD Barreiro: R. Barão de Monte Alto, 211 - Cardoso - (31)3277-3630
Cersam AD Nordeste: R. Joaquim Gouvêia, 600 - São Paulo (ao lado da UPA Nordeste) – (31)3246-7547
Cersam AD Pampulha: R. Liguria, 70 - Bandeirantes (Pampulha) – (31)3277-1573
Cersam Leste: Rua Pirite, 150 - Santa Tereza – (31)3277-5756
Cersam AD Centro sul / CMT: Alameda Ezequiel Dias, 365 - Santa Efigênia - (31) 3217-9000
Cersam Centro Sul / CEPAI: R. Padre Marinho, 150  - Santa Efigênia - (31) 3235-3000